AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL DA SALA DE AULA DA TURMA DE ENGENHARIA DA FADAF

Alisson S. Silva, Mileny Bis, Erica Mitie Umakoshi

Resumo


A evolução de uma cidade, estado ou país, ao longo da história, é retratada por suas riquezas culturais representadas por suas construções. A arquitetura e a engenharia civil, desde os tempos mais remotos, ditam o grau de tecnologia e avanço cultural da sociedade. A engenharia civil no Brasil começou de forma simples, para suprir as necessidades da população. As primeiras obras sociais foram feitas por oficiais Engenheiros e Mestres Pedreiros, que vinham simplesmente com experiências passadas de geração em geração, não possuíam curso superior, apenas os métodos adquiridos ao longo de suas vidas. A engenharia Civil e a Arquitetura não são apenas profissões capazes de desenhar casas modernas e bonitas, mas sim, solucionar problemas desenvolvidos ao longo do tempo. Com o aumento da população, as indústrias se desdobram para suprir as necessidades do Planeta Terra, no entanto, esse desdobramento, para ajudar uma parte dos habitantes, está infelizmente prejudicando a outra. Com a grande demanda da população, os veículos, fábricas e equipamentos liberam no meio ambiente grande carga de poluentes, dentre eles o CO2. Devido ao aquecimento global e a muitos outros fatores, o planeta Terra vem sofrendo mudanças climáticas. Essas mudanças interferem no bem estar dos cidadãos, principalmente relacionados à vida deles dentro de suas residências.    No contexto das construções, não são apenas os fatores climáticos que interferem na falta de conforto delas, muitas vezes, isso está relacionado à utilização de materiais construtivos inadequados ao meio ambiente, o que, por sua vez, contribui com a baixa qualidade de Conforto Ambiental nos projetos. O conforto ambiental ainda é visto pela maioria dos profissionais de edificações como principio de menor importância quando relacionado a fatores de execução da obra como qualidade, produtividade, desperdícios, prazos e, principalmente, custos. Esses profissionais não têm a percepção de que casas ou apartamentos ambientalmente confortáveis podem ter seu valor agregado para a construção, pois, devido às altas temperaturas que se excedem a cada dia, em um futuro não tão distante a procura por ambientes que ofereçam espaços com a menor entrada de calor e utilização de benefícios naturais será grandiosa, pois isso agrega, além de um espaço mais confortável, uma maior economia de energia. Quando o projeto é baseado em princípios bioclimáticos, é possível poupar tempo e dinheiro, pois o que geralmente acontece é a construção de um imóvel e, depois, em virtude do calor ou algum outro problema envolvendo a falta de planejamento, é necessário fazer reformas para melhorar esses ambientes, ou seja, ter mais gasto, e fazer o trabalho repetidamente. A presente pesquisa visa minimizar o desconforto ambiental e  aumentar  a eficiência energética de uma sala da Faculdade de Direito de Alta Floresta que, uma vez construída, não teve auxílio de um profissional capacitado para inibir futuros problemas como: o alto gasto energético com lâmpadas, com aparelhos de ar condicionado, ventiladores. Isso ocorre devido ao fato de se pertencer a uma região de clima tropical, com duas estações bem definidas quente-úmido e quente-seco.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.